Mozambique
MapoList


Continuação de chuvas e ventos fortes em Sofala, Zambézia e Niassa; alguma chuva no Sul

O Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) prevê a continuação de ocorrência de chuvas moderadas a fortes (30 a 50 milímetros em 24 horas), localmente muito fortes (mais de 50 milímetros em 24 horas), ventos com rajadas e trovoadas severas, até sexta-
@Verdade - Últimas

Continuação de chuvas e ventos fortes em Sofala, Zambézia e Niassa; alguma chuva no Sul

O Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) prevê a continuação de ocorrência de chuvas moderadas a fortes (30 a 50 milímetros em 24 horas), localmente muito fortes (mais de 50 milímetros em 24 horas), ventos com rajadas e trovoadas severas, até sexta-feira (22) em todos os distritos das província de Sofala, Zambézia e nos distritos de Cuamba, Metarica, Mecanhelas, Mandimba, Chimbunila e Lago (na Província de Niassa). O INAM prevê ainda a continuação de ocorrências de chuvas moderadas a localmente fortes, acompanhadas por vezes de trovoadas e ventos com rajadas nas províncias de Nampula e norte das províncias de Inhambane e Gaza. Para a província de Maputo e sul de Gaza, prevê-se a ocorrência de aguaceiros ou chuvas moderadas a fortes (30 a 50 milímetros em 24 horas) acompanhadas de trovoadas e ventos com rajadas, a partir do final da tarde de amanhã, quinta-feira, dia 21 de Março de 2019. Eis as temperaturas previstas: Cidade Tempo Máx ºC Mín ºC Maputo 32 22 Xai-Xai 33 23 Inhambane 32 24 Vilankulo 28 25 Beira 29 24 Chimoio 26 18 Tete 33 23 Quelimane 32 24 Nampula 31 23 Pemba 32 24 Lichinga 26 17  

19 mortos em 20 acidentes de viação semana finda em Moçambique

A Polícia da República de Moçambique (PRM) registou 20 acidentes de viação, durante a semana finda, onde perderam a vida mais 19 cidadãos. Nos acidentes, registados em todo o país, pelo menos 22 pessoas contraíram ferimentos graves enquanto 45 tive
@Verdade - Últimas

19 mortos em 20 acidentes de viação semana finda em Moçambique

A Polícia da República de Moçambique (PRM) registou 20 acidentes de viação, durante a semana finda, onde perderam a vida mais 19 cidadãos. Nos acidentes, registados em todo o país, pelo menos 22 pessoas contraíram ferimentos graves enquanto 45 tiveram ferimentos ligeiros. No que a acções de prevenção da sinistralidade diz respeito a PRM fiscalizou mais de 45 mil automóveis tendo apreendido 676 delas por diversas infracções, foram também apreendidos 676 livretes e 151 cartas de condução. Em comunicado o Comando-Geral da PRM refere 5.637 multas foram aplicadas na semana passada e que 20 condutores foram detidos por condução ilegal e outros sete por corrupção activa.

Ciclone IDAI salva Nyusi

O Ciclone IDAI, que deixou um rasto dramático de destruição no Centro de Moçambique, poderá ter salvo Filipe Nyusi de um incómodo desafio interno como candidato do partido Frelimo às Presidenciais de Outubro próximo. Roque Silva, o secretário-gera
@Verdade - Últimas

Ciclone IDAI salva Nyusi

O Ciclone IDAI, que deixou um rasto dramático de destruição no Centro de Moçambique, poderá ter salvo Filipe Nyusi de um incómodo desafio interno como candidato do partido Frelimo às Presidenciais de Outubro próximo. Roque Silva, o secretário-geral do partido no poder, disse nesta segunda-feira (18) que a Comissão Política decidiu adiar a III Sessão Ordinária do Comité Central que estava agendada entre 22 e 24 de Março “para que todos nos concentremos para os esforços em curso de assistência humanitária às vítimas das calamidades naturais que continuam a abalar o nosso país”. Embora Filipe Nyusi tenha sido indicado como o candidato do partido para as Eleições Gerais deste ano, durante o XI Congresso realizado em Setembro de 2017, desde então a sua governação e imagem tem sido desgastada particularmente pela forma como está a conduzir o processo das dívidas ilegais das empresas Proindicus, EMATUM e MAM que precipitaram a crise que Moçambique enfrenta desde 2016. Não são conhecidos adversários públicos no entanto o @Verdade apurou que vários membros influentes e com votos decisivos estariam a ponderar rever a indicação de Nyusi como candidato “unânime” pois está a corroer ainda mais a imagem do partido Frelimo. O @Verdade sabe que a situação de Filipe Nyusi chegou a ser equiparada a de Jacob Zuma que diante de escândalos de corrupção foi forçado a renunciar e abrir para Cyril Ramaphosa de maneira a preservar o ANC no poder, no caso moçambicano o desafio é preservar o partido Frelimo que de eleição em eleição regista cada vez menos votos, muitos menos do que os membros que clama possuir. Graças a este adiamento, “sine die”, é pouco provável que continue a existir espaço para contestar a liderança de Filipe Nyusi que apesar de todas as responsabilidades no sofrimento do povo aposta na aura de salvador, desdobrando-se em acções para prestar a necessária assistência humanitária aos moçambicanos afectados pelo Ciclone tropical que na semana finda destruiu a cidade da Beira. Aliás toda operação de resgate e ajuda que decorre em Sofala está a ser liderada por Celso Correia, que é Ministro de Terra Ambiente e Desenvolvimento Rural mas antes director da campanha do partido Frelimo para as eleições Presidenciais, Legislativas e Províncias de 15 de Outubro próximo.

Milhares sitiados no Centro de Moçambique onde existem mais de 200 mortos; Declarada ...

Cinco dias após o Ciclone tropical IDAI dissipar-se milhares de moçambicanos continuam sitiados nos tectos de casas e em copas de árvores no Centro de Moçambique onde as Bacias do Búzi e Púnguè estão inundadas. Os meteorologistas prevêem que as chuva
@Verdade - Últimas

Milhares sitiados no Centro de Moçambique onde existem mais de 200 mortos; Declarada ...

Cinco dias após o Ciclone tropical IDAI dissipar-se milhares de moçambicanos continuam sitiados nos tectos de casas e em copas de árvores no Centro de Moçambique onde as Bacias do Búzi e Púnguè estão inundadas. Os meteorologistas prevêem que as chuvas fortes, rajadas de ventos e trovoadas severas vão continuar, pelo menos até quinta-feira (21), e sugerem “rezar para que nenhum sistema de baixa pressão se formar”, pois as condições no Canal de Moçambique continuam propícias para mais chuvas intensas. Reunido na destruída cidade da Beira o Conselho de Ministros declarou Emergência Nacional, pela primeira vez na nossa História, e Luto por um período de 3 dias. Existem 202 óbitos confirmados. O Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) não tem registos precisos de quanta chuva caiu nas últimas 24 horas em Sofala nem a Direcção Nacional de Recursos Hídricos sabe o nível exacto de inundação nas Bacias do Búzi e Púngué devido aos danos causados pelo Ciclone IDAI nas suas infra-estruturas contudo é facto que continua a chover muito no Centro de Moçambique, pelo menos 75 milímetros de precipitação em 24 horas, os rios e seus afluentes desde sábado que estão em situação de cheias que poderá estender-se a Bacia do Save, na Vila Franca do Save. A polícia lacustre e fluvial na província de Manica recolheu 11 cadáveres desde domingo no rio Lucite, no posto Administrativo de Dombe, no distrito de Sussendenga e resgatou de árvores e do tectos de habituações mais de 300 cidadãos. “A água estava a terminar no pátio quando falei para a minha senhora leva as crianças e sai com vovó para a estrada, depois tivemos de subir árvore onde ficamos quase 6 dias. Muitas pessoas morreram, outros já estavam a largar a árvore por causa de frio”, relatou um dos sobrevivente visivelmente faminto mas aliviado com a chegada das equipas de resgate que estão a ser apoiadas por experientes nadadores e salva-vidas da África do Sul. Uma avaliação aérea feita pelas autoridades humanitárias mostra um raio de 50 quilómetros da província de Sofala debaixo de água, em várias zonas a profundidade ultrapassa os 6 metros. A barragem de Chicamba, que descarrega as suas águas para as bacias do Búzi e do Púnguè, estava com um enchimento de 70 por cento na manhã desta terça-feira (19) no entanto desconhece-se a qualidade de água que estará a vir do Zimbabwe onde as estações hidrológicas foram danificadas pelas cheias. Se uma quantidade de água acima do normal vier do país vizinho a Barragem poderá ter de iniciar descargas de emergência que deverão agravar a já dramática situação de centenas de milhares de moçambicanos sitiados. “Vamos rezar para que nenhum sistema de baixa pressão se formar” O INAM prevê a continuação de ocorrência de chuvas fortes (acima de 50 milímetros em 24 horas), localmente muito fortes (mais de 75 milímetros em 24 horas), ventos com rajadas e trovoadas severas, até quinta-feira (21) em todos os distritos das províncias de Sofala, Manica, Zambézia e nos distritos de Cuamba, Metarica, Mecanhelas, Mandimba, Chimbunila e Lago (na Província do Niassa). O meteorologista Acácio Tembe chamou atenção para o facto de embora o ciclone tropical já se tenha dissipado, na sexta-feira (15), “temos uma zona de baixa pressão nas províncias de Sofala e de Manica que está a persistir e está estacionário e faz com que tenhamos muita quantidade de chuva principalmente nessas duas províncias”. “A época chuvosa nominalmente termina a 31 de Março mas se olharmos para os fenómenos que estão a acontecer todos eles começaram mais tarde, em relação as outras épocas, então podemos ter alguma precipitação nos primeiros dias de Abril. Temos de continuar a monitorar porque as águas no Canal de Moçambique estão acima de 30 graus e qualquer sistema de baixa pressão que entrar na Região Centro vai desenvolver-se e poderá de novo criar chuvas, então vamos rezar para que nenhum sistema de baixa pressão se formar”, acrescentou Tembe. “Emergência Nacional na República de Moçambique”, há confirmação de mais de 200 óbitos Na destruída capital da província de Sofala os beirenses tentam retomar a vida limpando o que restou das suas habitações numa cidade onde não há água potável, não há electricidade, falta comida e todos outros produtos de primeira necessidade. “Nós ouvimos o aviso do ciclone mas não acreditamos que fosse tão forte”, lamentou Aquino, sexagenário que não tem memória de outra calamidade similar no Chiveve, “no ano 2000 não foi nada disto” recordou o reformado que ainda está a tentar contactar todos os seus familiares na Beira e lhe foi indiferente a presença de todo o Conselho de Ministros e do próprio Presidente Filipe Nyusi. Após várias horas de reunião, nas instalações dos Caminhos de Ferro, o Chefe de Estado anunciou, pela primeira vez desde que Moçambique existe: “Porque a situação está grave o Governo vai decretar a Emergência Nacional na República de Moçambique”. “Pela informação que nos foi fornecida aqui, neste contexto de mortes confirmadas, aquilo que nos foi dito e com tendências a crescer, vínhamos aqui com 84 mas depois no terreno fomos vendo que estamos já nos duzentos e tal, e não só, mas também dos 350 mil cidadãos que se encontram em situação de risco e ainda das severas destruições devido a esta tragédia então o Conselho de Ministro decide decretar Luto Nacional na República de Moçambique por um período de 3 dias com início nas próximas zero horas”, acrescentou o Presidente Filipe Nyusi. A directora do INGC precisou ao @Verdade que com “as actualizações de Dondo, Nhamatanda e Manica” existem 202 óbitos confirmados, elevando para 268 o números de vítimas mortais desde o início da época chuvosa em Moçambique.

Ex-embaixadora de Moçambique condenada 10 anos de prisão, vai recorrrer

A antiga embaixadora de Moçambique nos Estados Unidos da América, Amélia Matos Sumbana, foi condenada nesta terça-feira (19) a 10 anos de prisão e ao pagamento das devidas multas ao Estado no valor de 17 milhões de meticais. Para além da pena, a ré va
@Verdade - Últimas

Ex-embaixadora de Moçambique condenada 10 anos de prisão, vai recorrrer

A antiga embaixadora de Moçambique nos Estados Unidos da América, Amélia Matos Sumbana, foi condenada nesta terça-feira (19) a 10 anos de prisão e ao pagamento das devidas multas ao Estado no valor de 17 milhões de meticais. Para além da pena, a ré vai ainda condenada ao confisco da residência adquirida com o dinheiro obtido através de actos de corrupção. No entanto o seu advogado já disse que vai recorrer da sentença. Amélia Sumbana foi considerada culpada pelo Tribunal Judicial da Cidade de Maputo dos crimes de branqueamento de capitais, desvio de fundos, peculato e abuso de cargo, por ter usado para benefício próprio fundos da embaixada de Moçambique, através de sub-facturação e outros crimes de corrupção, enquanto embaixadora junto dos Estados Unidos da América. Sumbana exerceu o mandato diplomático em Washington no período compreendido entre 2009/15, tendo lesado os cofres do Estado em mais de 30 milhões de meticais em práticas que sujam a imagem do país. Consta ainda que durante os anos em que a arguida esteve no cargo usava a sua conta pessoal, tanto para realizar despesas da representação diplomática, quanto para custear despesas pessoais, e esteve numa situação de conflito de interesses ao ordenar que a embaixada contratasse serviços de uma empresa para intermediar a compra de uma residência oficial, a mesma que tinha seu filho entre os membros de direcção. A ré solicitou ao Estado que mobilasse, na totalidade, a moradia onde ela residia, tendo, para o efeito, se encarregado de comprar pessoalmente os móveis, sem que posteriormente apresentasse os devidos comprovativos. Entre os anos 2010/15, Sumbana substituiu bens electrodomésticos e outros utensílios imobiliários qualitativamente bons por outros de baixa qualidade. A auditoria feita após o termo do mandato constatou, no seu relatório, que os comprovativos apresentados não reuniam condições para serem considerados procedentes. O juiz Rui Dauane terminou a sentença declarando não entender como auferindo mais de 8 mil dólares mensais a ré tenha decidido lesar o erário. A defesa de Amélia Sumbana anunciou que vai recorrer da decisão, enquanto isso a antiga embaixadora continuará em liberdade.

Tmcel móvel (82 e 83) já está a funcionar para cidade da Beira

Já é possível estabelecer comunicações para a cidade da Beira, através dos números móveis (82 e 83) da Tmcel, desde as 9:36H de hoje, dia 20 de Março. Prosseguem os esforços no sentido de repor as comunicações, para as demais cidades afectadas
@Verdade - Últimas

Tmcel móvel (82 e 83) já está a funcionar para cidade da Beira

Já é possível estabelecer comunicações para a cidade da Beira, através dos números móveis (82 e 83) da Tmcel, desde as 9:36H de hoje, dia 20 de Março. Prosseguem os esforços no sentido de repor as comunicações, para as demais cidades afectadas pelo ciclone Idai.

Tmcel restabelece comunicações bancárias na cidade da Beira

A Moçambique Telecom (Tmcel) restabeleceu, nesta terça-feira, 19 de Março, as comunicações de alguns bancos comerciais, que operam na cidade da Beira, nomeadamente o BCI e o Standard Bank. Foram igualmente repostas as comunicações fixas e móveis, d
@Verdade - Últimas

Tmcel restabelece comunicações bancárias na cidade da Beira

A Moçambique Telecom (Tmcel) restabeleceu, nesta terça-feira, 19 de Março, as comunicações de alguns bancos comerciais, que operam na cidade da Beira, nomeadamente o BCI e o Standard Bank. Foram igualmente repostas as comunicações fixas e móveis, dentro da região Norte do País (Cabo Delgado, Nampula e Niassa), apesar de se verificarem algumas oscilações. Importa realçar que, na segunda-feira, dia 18, a Tmcel conseguiu restabelecer, através da rede fixa, as comunicações em toda a província de Tete e a partir de hoje já é possível comunicar-se pelo móvel para esta província. Entretanto foram reforçadas equipas técnicas no terreno, bem como equipamentos e materiais que foram enviados para a região Centro.

Chuvas e ventos fortes em Sofala, Manica, Zambézia e Niassa; Muito calor no Sul

Chuvas fortes, trovoadas severas e rajadas de ventos vão continuar a fustigar as províncias de Sofala, Manica, Zambézia e os distritos de Cuamba, Metarica, Mecanhelas, Mandimba, Chimbunila e Lago (na Província de Niassa) nesta quarta-feira (20). No Su
@Verdade - Últimas

Chuvas e ventos fortes em Sofala, Manica, Zambézia e Niassa; Muito calor no Sul

Chuvas fortes, trovoadas severas e rajadas de ventos vão continuar a fustigar as províncias de Sofala, Manica, Zambézia e os distritos de Cuamba, Metarica, Mecanhelas, Mandimba, Chimbunila e Lago (na Província de Niassa) nesta quarta-feira (20). No Sul o Instituto Nacional de Meteorlogia (INAM) prevê calor intenso, com temperaturas máximas que poderão variar de 38 a 41 graus celsius e ventos com rajadas ate 50 quilómetros por hora, nos distritos de Matutuíne, Boane, Namaacha, Marracuene, Moamba, Magude, Manhiça e cidades de Maputo e Matola (na Província de Maputo); nos distritos de Massangena, Chicualacuala, Chigubo, Mabalane, Massingir, Guijá, Bilene, Mapai, Limpopo, Chonguene, Chibuto, Mandlakazi e cidades de Chókwé e Xai-Xai (na Província de Gaza); e nos nos distritos de Mabote, Funhalouro, Panda e Inharrime (na Província de Inhambane). Nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula céu estará geralmente muito nublado. Continuação de aguaceiros ou chuvas fracas localmente moderadas, acompanhadas por vezes de trovoadas, principalmente nas províncias de Nampula e Niassa. Vento de nordeste a noroeste fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas. Para as províncias de Tete, Zambézia, Manica e Sofala o INAM prevê céu muito nublado. Continuação de aguaceiros ou chuvas moderadas a fortes nas províncias de Sofala e Manica, acompanhadas por vezes de trovoadas. Vento de nordeste a sudoeste fraco a moderado, soprando com rajadas. Eis as temperaturas previstas: Cidade Tempo Máx ºC Mín ºC Maputo 39 23 Xai-Xai 38 23 Inhambane 33 25 Vilankulo 30 24 Beira 29 23 Chimoio 28 20 Tete 32 24 Quelimane 32 23 Nampula 32 23 Pemba 33 21 Lichinga 25 17    

Áreas devastadas pelo ciclone Idai: Rede fixa progressivamente reposta

A Moçambique Telecom (Tmcel) estabeleceu, hoje, 18 de Março, através da rede fixa, as comunicações em toda a província de Tete e na cidade da Beira, província de Sofala, devastadas, recentemente, pelo ciclone Idai. Entretanto, na cidade da Beira, a
@Verdade - Últimas

Áreas devastadas pelo ciclone Idai: Rede fixa progressivamente reposta

A Moçambique Telecom (Tmcel) estabeleceu, hoje, 18 de Março, através da rede fixa, as comunicações em toda a província de Tete e na cidade da Beira, província de Sofala, devastadas, recentemente, pelo ciclone Idai. Entretanto, na cidade da Beira, as comunicações, através da rede fixa, ocorrem de forma intermitente, devido aos constantes cortes de energia eléctrica nas províncias de Sofala e Manica. De acordo com Márcia Fenita, porta-voz desta operadora pública de telecomunicações, estão em curso ainda trabalhos, visando o restabelecimento das comunicações para as províncias do Centro e Norte, afectadas pelo corte registado na Beira. ”A maior preocupação da Tmcel no momento é recuperar as infraestruturas para a reposição das comunicações, pelo que estamos a actuar na medida que as condições no terreno permitem, nomeadamente a paragem das chuvas, escoamento das águas paradas, levantamento dos postes de energia derrubados, entre outros aspectos que têm condicionado a nossa intervenção”, indicou. Todos os recursos da Tmcel, em termos de infraestruturas e pessoal, segundo destacou Márcia Fenita, estão a ser usados não só para a reposição dos serviços de comunicações, que a empresa fornece aos seus clientes, como também colocou-se à disposição para suporte na reposição de todas as infraestruturas públicas e de grande impacto na vida das pessoas, como o fornecimento de água, energia, serviços bancários, instituições do Estado e comunicações de um modo geral. “A nossa base de apoio operacional no momento é a província de Manica. Entretanto, na sequência da intransitabilidade das vias de acesso terrestre usaremos as províncias de Inhambane e Zambézia como pontos de suporte logístico”, concluiu.

Zucula embolsou 135, Chang 250 mas PGR não revela quem ficou com os 215 mil restantes dos ...

A Procuradoria-Geral da República (PGR) que não fala com jornalista mas usa o diário estatal como seu veículo de comunicação revelou que os antigos ministros Paulo Zucula e Manuel Chang terão recebido 135 mil dólares e 250 mil dólares, respectivament
@Verdade - Últimas

Zucula embolsou 135, Chang 250 mas PGR não revela quem ficou com os 215 mil restantes dos ...

A Procuradoria-Geral da República (PGR) que não fala com jornalista mas usa o diário estatal como seu veículo de comunicação revelou que os antigos ministros Paulo Zucula e Manuel Chang terão recebido 135 mil dólares e 250 mil dólares, respectivamente, quem será o governante que embolsou os restantes 215 mil dólares em subornos que a construtora Odebrecht admitiu ter pago para garantir a construção do Aeroporto de Nacala. Cerca de 3 anos após a construtora brasileira ter admitido, num acordo de leniência com o departamento de Justiça dos Estados Unidos da América, ter pago subornos de 900 mil dólares norte-americanos a funcionários de Governo de Moçambique para a construção do megalómano Aeroporto Internacional de Nacala a PGR divulgou que no processo que abriu no Gabinete Central de Combate à Corrupção, com o nº 58/GCCC/17-IR são arguidos Paulo Zucula, ex-ministro dos Transportes e Comunicações, e Manuel Chang, antigo ministro das Finanças. O jornal Notícias refere que Zucula foi ouvido na passada sexta-feira (15) no âmbito desse processo porque, de acordo com Procuradoria, terá recebido 135 mil dólares pagos pela Odebrecht. Ainda segundo a PGR o ex-ministro Chang embolsou 250 mil dólares da Odebrecht para aceitar emitir as Garantias Soberanas que serão alegadamente exorbitantes para o Estado moçambicano. No entanto este argumento do Ministério Público moçambicano é pouco verosímil pois investigações do @Verdade, com um grupo de jornalistas sul-americanos em torno da operação Lava Jacto, apuraram que a Odebrecht teve de subornar funcionários brasileiros para defenderem “as garantias de Moçambique no COFIG(Comité de Financiamento e Garantia das Exportações, responsável por avaliar as condições de financiamentos do Governo federal a operações de exportação), ainda que as garantias fossem fracas em face das dificuldades financeiras de Moçambique”. Além disso a Procuradoria-Geral da República não revela quem é o governante moçambicano recebeu os remanescentes 215 mil dólares, afinal a construtora brasileira assumiu ter pago subornos de 900 mil dólares.

EN6 custou 410 milhões de dólares e “era suposto que resistisse a qualquer tipo de ...

O ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos considerou de “surreal” a destruição causada pela força das águas sobre a novíssima Estrada Nacional nº 6 cuja plataforma João Machatine disse que tinha “consistência que era supos
@Verdade - Últimas

EN6 custou 410 milhões de dólares e “era suposto que resistisse a qualquer tipo de ...

O ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos considerou de “surreal” a destruição causada pela força das águas sobre a novíssima Estrada Nacional nº 6 cuja plataforma João Machatine disse que tinha “consistência que era suposto que resistisse a qualquer tipo de intempérie”, afinal custou 410 milhões de dólares em dívida externa. O rasto de destruição do Ciclone tropical IDAI continua a surpreender aos moçambicanos, na tarde de sábado (17) as autoridades de emergência foram alertadas de súbitas inundações no distrito de Nhamatanda, devido ao aumento do fluxo de água nas Bacias do Búzi e Púnguè. Centenas de cidadãos foram apanhados desprevenidos e automobilistas que transitavam pela Estrada Nacional nº 6 viram-se ilhados. Pelo menos um viatura foi arrastada pela força da água que não só inundou a via, que custou 410 milhões de dólares norte-americanos e cuja construção estava nos detalhes finais para ser inaugurada, como ainda mostrou que as infra-estrututras que estão a ser construídas em Moçambique ainda estão longe de ser resistentes às Calamidades Naturais. “O que estamos a assistir é algo surreal atendendo a consistência desta infra-estrutura, desde a base até a sub-base temos que quase uma lage de betão antes do próprio revestimento, temos um espessura de 20 a 25 centímetros de revestimento e isto tudo foi removido pela água”, começou por afirmar o ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos após visitar as secções danificadas no distrito de Nhamatanda. Machatine mostrou aos microfones da rádio pública a sua incredulidade diante do poder da natureza: “A força brutal das águas foi de tal ordem que acabou destruindo aquilo que para nós era impensável que acontecesse, estamos a ver toda a plataforma da estrada, desde a base, o revestimento removidos. Esta plataforma tem uma consistência que era suposto que resistisse a qualquer tipo de intempérie e como se não bastasse estamos a presenciar esta ponte que cedeu, devido ao assentamento do pilar, houve muita escavação nas fundações deste pilar e acabou cedendo e consequentemente o próprio tabuleiro”. João Machatine disse que a preocupação do Governo “é garantir a transitabilidade, então ocorre-nos a alternativa de criar aqui um desvio, vamos deixar o nível das águas baixar ainda mais, e criar-se aqui um desvio”. “Vai-se ter aqui duas frentes, uma que vem de Inchope em direcção a Beira para garantir-se a transitabilidade nesta secção e outra frente que virá da Beira para o Inchope para repor numa área de 10 quilómetros. Vamos fazer de tudo para que o mais rapidamente possível se consiga garantir, ainda que condicionamelmente, a transitabilidade e enquanto isso se vão apurar as reais necessidades para uma intervenção definitiva”, prognosticou o governante. A Estrada Nacional nº 6 é a principal ligação entre a capital da província de Sofala e Moçambique, mas ao longo dos seus mais de 287 mil quilómetros movimenta toda economia da Região Centro ligando o Porto da Beira ao município do Dondo, ao distrito de Nhamatanda, ao distrito de Gondola, ao distrito de Manica, a cidade do Chimoio e é troço fundamental do Corredor para Tete, Zimbabwe e o Malawi.

“Cem mil pessoas correm perigo de vida” na Beira, Búzi, Chibabava, Muanza, Mossurize e ...

Enquanto o Governo ainda está a fazer o levantamento do real impacto do Ciclone IDAI o Presidente da República estimou “que poderemos registar mais de mil óbitos”. Além disso pelo menos cem mil pessoas correm perigo de vida pois “os distritos de Bú
@Verdade - Últimas

“Cem mil pessoas correm perigo de vida” na Beira, Búzi, Chibabava, Muanza, Mossurize e ...

Enquanto o Governo ainda está a fazer o levantamento do real impacto do Ciclone IDAI o Presidente da República estimou “que poderemos registar mais de mil óbitos”. Além disso pelo menos cem mil pessoas correm perigo de vida pois “os distritos de Búzi, Chibabava e Muanza na província de Sofala, o distrito de Mossurize e o posto Administrativo de Dombe em Manica estão isolados do resto do país o que forçou concidadãos nossos a procurarem refúgio nas árvores e nos tectos das casas enquanto aguardam salvamento”, revelou Filipe Nyusi que apelou “não há espaço para desculpas”, mas a verdade é desde 2016 INGC tem operado com défice financeiro. Após visitar pelo ar e por terra os locais mais atingidos pelo ciclone tropical nas província de Sofala, Zambézia, Manica e Tete o Chefe de Estado dirigiu-se aos moçambicanos para relatar o que viu: “Formalmente até ao momento há registo de acima de 84 óbitos, mas quando sobrevoamos, e o esforço está a ser feito ainda esta manhã para perceber, tudo indica que poderemos registar mais de mil óbitos”. “Mais de cem mil pessoas correm perigo de vida. Actualmente a estrada nacional nº 6 sofreu quatro cortes, esse número de cortes poderá aumentar, isolando por terra as cidades da Beira e Dondo. As águas do rio Púnguè e Buzi transbordaram fazendo desaparecer aldeias inteiras, isolando comunidades e vê-se durante os sobrevoo corpos a flutuar, portanto um verdadeiro desastre humanitário de grande proporções”, disse o estadista. Nesses locais residem mais de 1,1 milhão de moçambicanos. Nysui informou que: “A ponte sobre o rio Búzi, na estrada nacional nº 260 ficou destruída pela fúria das águas, o distritos de Búzi, Chibabava e Muanza na província de Sofala, o distrito de Mossurize e o posto Administrativo de Dombe em Manica estão isolados do resto do país o que forçou concidadãos nossos a procurarem refúgio nas árvores e nos tectos das casas enquanto aguardam salvamento”. “Este desastre natural deixou grande parte da zona Centro sem energia eléctrica, na cidade da Beira acima de 80 por cento dos postes não estão em condições, deixou também sem abastecimento de água potável, comunicações para além de ter afectado o funcionamento normal dos hospitais, escolas, para dizer que nos distritos que mencionei praticamente a rede escolar ficou totalmente destruída, e demais instituições públicas e privadas”, acrescentou o Chefe de Estado. Filipe Nyusi convocou o seu Governo para reunir-se pela primeira vez fora da cidade de Maputo, “perante este cenário dramático o Governo decidiu realizar a 9ª sessão ordinária do Conselho de Ministros, amanha dia 19 de Março, na cidade da Beira para acompanhar e avaliar a situação no terreno”. O @Verdade entende que também poderá ser declarado o Estado de Calamidade para permitir que o nosso país beneficie de maior ajuda internacional. “Nós também ficamos ilhados na cidade da Beira«, Augusta Maíta Embora o Presidente Nyusi tenha apelado na sua Declaração “caros compatriotas a prioridade do Governo é salvar vidas humanas, não há espaço para desculpas ou acusações”, a verdade é desde 2016 o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) tem operado com défice financeiro para implementar acções de prevenção e mesmo de assistência humanitária. O Plano de Contingências para a época chuvosa 2018/2019, para um cenário que não incluía o ciclone de categoria 4 que fustigou o Centro de Moçambique, estava orçado em 1,3 bilião de meticais no entanto o Executivo de Nyusi só disponibilizou pouco mais de duzentos milhões de meticais. Para enfrentar o Ciclone IDAI a instituição dirigida por Augusta Maíta pediu, atempadamente, pelo menos 1,1 bilião de meticais para prestar assistência a cerca de meio milhão de pessoas, “o Governo disponibilizou 300 milhões de meticais”, revelou a directora do INGC. O Programa Mundial da Alimentação, que coordena a resposta humanitária da ONU em Moçambique, fez um “apelo temporário por volta de 40 milhões de dólares (cerca de 2,4 biliões de meticais) mas, provavelmente, vai aumentar por causa da segunda leva de cheias que, infelizmente, está a assolar o centro do país», declarou Karin Manente, representante em Maputo. O @Verdade apurou que para enfrentar este ciclone, é preciso recuar até ao ano 2000 para encontrar outro similar, o Eline que também fustigou o centro de Moçambique e causou a morte de pouco mais de uma centena de pessoas, o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades nem sequer conseguiu ter um sistema de comunicações de emergências por isso enfrenta as mesma dificuldades de comunicações tal como os restantes cidadãos. Até a manhã desta segunda-feira (18) não conseguia coordenar os seus operativos em Sofala, não tem sido possível actualizar o impacto real, as estações hidrométricas nas Bacias do Save, Búzi e Púnguè estão incomunicáveis desde sexta-feira (daí a falta de informação sobre as cheias em Nhamatanda). “Nós também ficamos ilhados na cidade da Beira, nós temos equipas de rádio que vão avançar para a cidade da Beira. Entramos e não sabíamos que teríamos este problema com as comunicações, que ficariam tanto tempo por se resolver", admitiu Augusta Maíta. Um outro drama “normal” durante a época chuvosa são as habitação que não resistem a chuva e ao vento pois são de construção precária. Tal como os seus antecessores Filipe Nyusi não tem conseguido edificar casas com as mínimas condições de durabilidade para o povo. Durante 39 anos os sucessivos governos do partido Frelimo construíram menos de duas mil casas e Nyusi propôs-se a edificar 35 mil novas habitações em apenas cinco anos. Conseguiu edificar somente 268 casas até 2016, desde então não construiu mais nenhuma.

Movitel é a primeira operadora a repor as comunicações na Beira

Estão repostas as comunicações móveis no centro da cidade da Beira através da rede de telefonia da Movitel que anunciou doação de cartões SIM grátis e crédito de 20 meticais para os clientes nas zonas afectadas pelo Ciclone IDAI. As redes móveis d
@Verdade - Últimas

Movitel é a primeira operadora a repor as comunicações na Beira

Estão repostas as comunicações móveis no centro da cidade da Beira através da rede de telefonia da Movitel que anunciou doação de cartões SIM grátis e crédito de 20 meticais para os clientes nas zonas afectadas pelo Ciclone IDAI. As redes móveis da TMcel e Vodacom ainda não estão disponíveis. A reposição das comunicações na rede 86 e 87 abrange por enquanto, as zonas de Matacuane, Maquinino, Manga, Esturro e Bairro do Aeroporto e a cidade circunvizinha do Dondo. «No resto da cidade da Beira, a Movitel está a tentar levantar postes e cabos tombados» informa a operadora em comunicado onde indica que na restante província de Sofala a sua rede «continua inoperacional nos distritos do Buzi, Nhamatanda, Muanza, Marromeu e Chibabava». De acordo com a operador os seus serviços também não estão operacionais nos distritos de Machaze, Sussundenga e Mussorize, na província de Manica. Entretanto a Movitel espera «recuperar toda a rede o mais rápido possível: todos os técnicos da Movitel estão alocados as zonas afectadas e também, conseguimos ajuda de equipes da locais e estrangeiras». Para os clientes directamente afectados pelo Cicline tropical IDAI a empresa de telefonia móvel anunciou que vai «doar o valor 20 MT (...) cartões SIM grátis, caso o cartão actual não esteja funcionando». Adicionalmente a Movitel disponibilizará «até 50 toneladas de em bens alimentares de primeira necessidade para as vitimas da cidade da Beira» e irá apoiar os seus funcionários «em todas as zonas afetadas na medida do possível como forma de minimizar o seu sofrimento».

Chuvas e ventos fortes vão continuar nesta 3ª feira em Sofala, Manica, Zambézia e Tete

O Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) prevê nesta terça-feira (19) a continuação de ocorrência de chuvas em regime forte a muito forte (mais de 100 milímetros em 24 horas), ventos com rajadas e trovoadas severas, até quinta-feira (21) em todo
@Verdade - Últimas

Chuvas e ventos fortes vão continuar nesta 3ª feira em Sofala, Manica, Zambézia e Tete

O Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) prevê nesta terça-feira (19) a continuação de ocorrência de chuvas em regime forte a muito forte (mais de 100 milímetros em 24 horas), ventos com rajadas e trovoadas severas, até quinta-feira (21) em todos os distritos das províncias de Sofala, Manica e Zambézia e também nos distritos de Changara, Mutarara, Doa, Marávia, Chifunde, Marara, Zumbo, Cahora Bassa, Moatize, Chiuta e Cidade de Tete (na Província de Tete). O INAM prevê ainda a continuação de ocorrências de chuvas fracas a moderadas (30 à 50 milímetros em 24 horas) acompanhadas por vezes de trovoadas e ventos com rajadas nas províncias de Nampula, Niassa e norte das províncias de Inhambane e Gaza. Entretanto o tempo vai continuar muirto quente em Maputo e Gaza. Céu pouco nublado localmente muito nublado.  Possibilidades de aguaceiros com trovoadas ou chuvas fracas em Maputo e extremo sul de Gaza. Vento de noroeste a nordeste fraco a moderado, rodando para sueste soprando, por vezes, com rajadas na faixa costeira. Eis as temperaturas previstas: Cidade Tempo Máx ºC Mín ºC Maputo 36 23 Xai-Xai 34 24 Inhambane 32 24 Vilankulo 28 22 Beira 27 22 Chimoio 24 17 Tete 32 23 Quelimane 31 22 Nampula 32 21 Pemba 31 23 Lichinga 26 17  

Persistem esforços para o restabelecimento das linhas de comunicação fixa e móvel para a ...

Não obstante o efeitos trágicos do ciclone Idai na província de Sofala, equipas da Tmcel têm estado concentradas em encontrar soluções que permitam, a qualquer momento, o restabelecimento das linhas de comunicação fixa e móvel, entre a cidade da Beir
@Verdade - Últimas

Persistem esforços para o restabelecimento das linhas de comunicação fixa e móvel para a ...

Não obstante o efeitos trágicos do ciclone Idai na província de Sofala, equipas da Tmcel têm estado concentradas em encontrar soluções que permitam, a qualquer momento, o restabelecimento das linhas de comunicação fixa e móvel, entre a cidade da Beira e o resto do Pais e do mundo. Em resultado destes esforços, as linhas fixas estiveram operacionais durante sexta-feira e parte do dia de sábado último, porém, devido ao recrudescimento das condições meteorológicas adversas naquela província, a rede ficou de novo inoperacional, desde a noite de sábado. No terreno, verificou-se que esta nova interrupção se ficou a dever a múltiplos cortes, no troço Inchope – Beira, destacando-se o isolamento das estações de Nhamatanda e Tica, a ponte de Lamego estar submersa e vale do Rio Púnguè estar alagado com postes no chão, bem como no troço Inchope – Tete – Caia – Muanza – Beira. Após a reparação dos vários cortes identificados, persiste, contudo, a interrupção do tráfego entre Caia – Beira, devido a problemas de alimentação de energia na estação de Muanza, o que dificulta o restabelecimento das comunicações para outras capitais provinciais. Não obstante estas adversidades, a Tmcel continua concentrada em encontrar soluções para o restabelecimento das comunicações para as províncias do Centro e Norte afectadas pelo corte da Beira, a reparação dos diferentes cortes no cabo de fibra óptica do «backbone» nos locais acessíveis e o estabelecimento de uma comunicação Maputo-Nampula via satélite, com o objectivo de prover serviços móveis na zona Norte e Beira, quando se restabelecer a energia em Muanza.

Lóbi dos camiões força levantamento da proibição de volante à esquerda, mas lei tem de ...

O lóbi das empresas de transporte está a conseguir sobrepor-se ao interesse público de tirar os camiões de volante à esquerda das estradas de Moçambique, onde são um dos responsáveis por acidentes de viação. O ministro dos Transporte e Comunicaçõe
@Verdade - Últimas

Lóbi dos camiões força levantamento da proibição de volante à esquerda, mas lei tem de ...

O lóbi das empresas de transporte está a conseguir sobrepor-se ao interesse público de tirar os camiões de volante à esquerda das estradas de Moçambique, onde são um dos responsáveis por acidentes de viação. O ministro dos Transporte e Comunicações explicou ao @Verdade que motivos económicos e estratégicos determinaram a decisão do Governo rever o Código de Estrada. Porém a sua efectivação carece ainda de decisão da Assembleia da República. O Executivo de Filipe Nyusi decidiu no passado de 5 de Março, durante a 7ª sessão Ordinária do Conselho de Ministro, aprovar a proposta de Lei que revoga o n.º 6 do artigo 117 da Lei 1/2011, de 23 de Março que proíbe a importação de veículos automóveis com volante a esquerda para fins comerciais, “com vista a adequar o Código de Estrada a actual realidade e impulsionar o desenvolvimento socioeconómico do País”. Contudo, e mais do que uma concertação da Comunidade de Países da África Austral, a inclusão dessa norma no Código de Estrada em 2011 foi justificada pelo perigo que a condução de veículos de volante à esquerda representa num país onde a condução é feita pelo lado direito. Embora não existam estudo que o comprovem quem transite pelo Corredor da Beira presencia pelo menos um ou dois acidentes diários envolvendo um dos camiões de volante à esquerda que colidem com motos ou mesmo viaturas ligeiras. Porém Carlos Mesquita declarou ao @Verdade que: “Analisando com toda a profundidade se o volante à esquerda é de facto a principal causa dos acidentes, na verdade é mais o factor humano”. O ministro dos Transportes e Comunicações disse ao @Verdade que o Governo assentiu com a vontade dos proprietários das empresas de transporte, ironicamente Carlos Mesquita é um deles, por questões “de certo modo económicas e estratégicas”. “Por exemplo quiser comprar 10 camiões de uma marca específica em 2ª mão não encontras em lado nenhum. Na Inglaterra ou noutros mercados pequenos consegues 2 ou 3, e custam 70 a 80 mil dólares, e não se consegue fazer a standardização da frota. No entanto num mercado como o dos Estados Unidos da América a oferta é imensa e pode-se comprar 200 camiões da mesma marca e modelo, cada um deles a 40 a 50 mil dólares”, explicou Mesquita. O titular dos Transportes alertou ainda que mesmo que a norma de mantenha no Código de Estrada será um desafio para Moçambique impor a lei aos transportadores dos países vizinhos onde foi tentado implementar a proibição mas os governos voltaram atrás. “Portanto se é uma questão de segurança temos de proibir também os outros, como é que fazemos isso”, questionou. De acordo com o governante: “A demanda de carga é cada vez maior em Moçambique e os sul-africanos estão a entrar porque as empresas nacionais não conseguem aumentar a frota. Há moçambicanos que estão a abrir empresas no Malawi e no Zimbabwe, onde podem importar camiões de volante à esquerda, e vêm operar em Moçambique”. No entanto Carlos Mesquita indicou que como Moçambique incluiu a norma numa lei a sua revogação depende ainda da aprovação Assembleia da República. A ver se os deputados defendem o interesse Público ou prevalece a vontade dos transportadores privados de carga.

Presidente Nyusi diz que Lei do Conteúdo Local ainda vai demorar porque depende das ...

O Presidente Filipe Nyusi afirmou que a Lei do Conteúdo Local, que há 12 anos está a ser preparada por sucessivos governos, “não é um processo que se concluiu num dia” até porque a sua aprovação e implementação, tendo em vista os projectos de g
@Verdade - Últimas

Presidente Nyusi diz que Lei do Conteúdo Local ainda vai demorar porque depende das ...

O Presidente Filipe Nyusi afirmou que a Lei do Conteúdo Local, que há 12 anos está a ser preparada por sucessivos governos, “não é um processo que se concluiu num dia” até porque a sua aprovação e implementação, tendo em vista os projectos de gás natural, está condicionada a vontade das multinacionais que operam em Cabo Delgado. Cerca de 18 anos após iniciar a exploração de gás natural existente em Inhambane, dois anos depois de iniciar a implementação do primeiro projecto de exploração dos hidrocarbonetos existentes na Bacia do Rovuma e há poucos meses da Anadarko anunciar a sua decisão de investir dezenas de biliões de dólares em Moçambique o Presidente da República deixou claro que os moçambicanos vão continuar a sonhar com uma lei que lhes garanta benefícios directos dos recursos que a natureza bafejou o país. “Constitui também uma prioridade a conclusão do processo de harmonização da Lei do Conteúdo Local. Nós já iniciamos o processo que guia os passos que damos, não é um processo que se concluiu num dia porque o grande interveniente são os empresários e são as grandes empresas”, disse Nyusi na passada quinta-feira (14) alheio ao facto que a legislação está a ser processada desde 2007. Discursando na XVI Conferência Anual do Sector Privado o Chefe de Estado alertou “a classe empresarial nacional, especialmente as Pequenas e Médias Empresas para melhorar os seus métodos de gestão empresarial por forma a tirarem grande proveito das oportunidades geradas com as ligações as grandes empresas e não transformar a CTA num instrumento de pressão ao Governo mas em ferramenta de promoção da economia”. “Acho que se recordam quando estivemos reunidos em Pemba, quando as grandes empresas colocavam as condições para que o Conteúdo Local fosse assumido. E nós continuamos a dizer temos que fazer essa nossa parte para vencer a aceitação necessária dentro dos padrões internacionais”, esclareceu o Presidente. Acontece que no encontro aludido por Filipe Nyusi, o 1º Seminário de Oportunidades Locais, a multinacional Anadarko, que lidera o projecto de exploração de gás natural na Área 1, deixou claro que considera empresa moçambicana qualquer que esteja registada no país há pelo menos 5 anos independentemente dos seus donos ou accionistas serem moçambicanos. Dados o Instituto Nacional de Estatística mostram que só em 2018 foram registadas por estrangeiros em Moçambique pelo menos 270 empresas que se colocaram na linha da frente para tornarem-se fornecedores directos dos projectos de gás em Cabo Delgado. Aliás no ano passado a Anadarko declarou ter investido 550 milhões de dólares norte-americanos nas infra-estruturas para o reassentamento, na auto estrada para Afungi, na pista de aterragem e na expansão do acampamento dos trabalhadores, mas as empresas contratadas não foram de moçambicanos.

Ciclone IDAI faz 74 mortos, milhares de feridos, muitos danos em infra-estruturas no Centro de ...

Pelo menos 74 pessoas morreram, milhares ficaram feridas no rescaldo preliminar da passagem do Ciclone tropical IDAI pelas províncias de Sofala e Manica onde se registam cheias que deixaram ilhadas um número ainda não apurado de pessoas. Sem energia eléct
@Verdade - Últimas

Ciclone IDAI faz 74 mortos, milhares de feridos, muitos danos em infra-estruturas no Centro de ...

Pelo menos 74 pessoas morreram, milhares ficaram feridas no rescaldo preliminar da passagem do Ciclone tropical IDAI pelas províncias de Sofala e Manica onde se registam cheias que deixaram ilhadas um número ainda não apurado de pessoas. Sem energia eléctrica e água potável a cidade da Beira está isolada por terra do resto de Moçambique e não tem comunicações com o resto do mundo. “É coisa de Deus, aconteceu, mas nós temos que ser fortes para conseguirmos vencer (...) nós estamos aqui convosco e eu nem sequer durmo”, compartilhou o Presidente Filipe Nyusi após visitar Sofala e Zambézia. O ciclone de categoria 4, o mais forte em mais de uma década, com ventos que chegaram aos 200 quilómetros por hora e precipitação de mais de 200 milímetros em 24 horas, entrou no continente pela cidade da Beira, a capital da província de Sofala, na noite de quinta-feira (14) onde os tectos a voar, as paredes que desabaram e as inundações mataram 55 pessoas e causaram um apagão eléctrico e de comunicações. “Toda cidade ficou destruída, as árvores parecem que foram podadas, teremos que fazer um trabalho muito grande”, resumiu o Chefe de Estado após visitar aquela que é a segunda mais importante cidade de Moçambique e onde continuam inundados todos os bairros, existem centenas de árvores que tombaram, assim postes de energia e de comunicações foram arrancados. Milhares de pessoas foram atendidas no Hospital Central da Beira que também não escapou a fúria do Ciclone e ficou com o bloco operatório destruído e várias enfermarias sem tecto. No município do Dondo, também na província de Sofala, a força do IDAI matou pelo menos 13 pessoas, entre elas duas crianças que foram vitimadas pela queda das paredes das habitações onde se encontravam. A província de Manica também sofreu com a forte chuva e ventos com rajadas originados pelo Ciclone IDAI que além de danos em diversas habitações e infra-estruturas pública causaram a morte de pelo menos seis pessoas. “É coisa de Deus, aconteceu, mas nós temos que ser fortes para conseguirmos vencer. Quando isto passar vamo-nos organizar melhor e ver que apoio que vamos dar, mas nós estamos aqui convosco e eu nem sequer durmo”, disse o Presidente da República após visitar Sofala e Zambézia. O ciclone tropical mais forte que antes havia atingido Moçambique foi o Jokwe, de categoria 3, quem em 2008 causou a morte de 17 pessoas nas províncias da Zambézia e Nampula. Beira isolada do resto do país por estrada e cheias poderão aumentar no Búzi Após sobrevoar a província de Sofala o Presidente Nyusi disse a jornalistas que “a água está a ser violenta, resta saber se o problema é só ciclone ou também alguma barragem ou alguma chuva que estão a vir do outro lado estão a inundar, o ciclone por si só não é motivo para aquelas enchentes que estão ali”. Entretanto Agostinho Vilanculo, da Direcção Nacional de Gestão de Recursos Hídricos, explicou aos microfones da Rádio Moçambique que “a situação hidrológica na Região Centro de Moçambique, sobretudo nas Bacias do Búzi e Púnguè, os níveis são muito altos e ainda continuam a chover. Informação que obtivemos nas últimas 24 horas indica que no vizinho Zimbabwe choveu cerca de 600 milímetros em 24 horas, esta situação irá forçar Chicamba (a barragem que funciona no rio Revuè) a incrementos alto e possivelmente poderá abrir comportas e a situação poderá causar inundações muito altas sobretudo no distrito do Búzi”. O facto é que a Estrada Nacional nº 6, que liga a cidade da Beira ao resto de Moçambique, está cortada em pelo menos quatro locais impossibilitando o tráfego rodoviário ou a assistência humanitária por essa via. Há relatos de pessoas que terão sido levadas pela força da água dos rios quando as viaturas onde se encontravam foram arrastadas. Além disso a capital da província de Sofala continua sem energia eléctrica e sem telecomunicações. Há danos no Aeroporto Internacional assim como no Porto da Beira. O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) previu que pelo menos 80 mil famílias (cerca de meio milhão de pessoas) iria ser afectada por esta calamidade natural e revelou ter um défice de 1,1 mil milhões de meticais para prestar a necessária assistência humanitária urgente, no entanto organizações humanitárias prejectam que mais de 1 milhão de moçambicanos terão sido atingidos pelo Ciclone IDAI. Até ao passado dia 11 o INGC estava a prestar assistência humanitária a mais de 600 mil vítimas da época chuvosa normal e da insegurança alimentar devido a fraca precipitação e tinha um défice de aproximadamente 900 milhões de meticais para realizar as suas acções de emergência.

Inundações repentinas matam pelo menos 58 pessoas na Indonésia

Enchentes e deslizamentos de terra provocados por chuvas torrenciais na província de Papua, no leste da Indonésia, mataram pelo menos 58 pessoas e desalojaram mais de 4 mil, disseram autoridades neste domingo. Uma busca por mais possíveis vítimas estav
@Verdade - Últimas

Inundações repentinas matam pelo menos 58 pessoas na Indonésia

Enchentes e deslizamentos de terra provocados por chuvas torrenciais na província de Papua, no leste da Indonésia, mataram pelo menos 58 pessoas e desalojaram mais de 4 mil, disseram autoridades neste domingo. Uma busca por mais possíveis vítimas estava em andamento na cidade de Sentani, que foi atingida por enchentes no final do sábado. Somente lá morreram 51 pessoas e 74 ficaram feridas, disse Sutopo Purwo Nugroho, porta-voz da agência nacional de desastres, em entrevista coletiva. As fortes chuvas causaram deslizamentos de terra na capital da província vizinha de Jayapura, matando sete pessoas, disse Nugroho. Soldados retiraram um bebé de 5 meses de idade de debaixo dos escombros de sua casa e o levaram para o hospital, informou o porta-voz militar da Papua, Muhammad Aidi. O número de vítimas “provavelmente aumentará porque o processo de retirada ainda está ocorrendo e nem todas as áreas afetadas foram alcançadas”, disse Nugroho. Cerca de 4.150 pessoas foram colocadas em seis centros de desabrigados, disse.

Ciclone Idai atinge Zimbabwe e deixa pelo menos 31 mortos

Pelo menos 31 pessoas morreram no leste do Zimbabwe, e dezenas estão desaparecidas, enquanto casas e pontes foram varridas por uma tempestade tropical, segundo a televisão pública do país neste sábado. O ciclone Idai, que trouxe enchentes e destruiç
@Verdade - Últimas

Ciclone Idai atinge Zimbabwe e deixa pelo menos 31 mortos

Pelo menos 31 pessoas morreram no leste do Zimbabwe, e dezenas estão desaparecidas, enquanto casas e pontes foram varridas por uma tempestade tropical, segundo a televisão pública do país neste sábado. O ciclone Idai, que trouxe enchentes e destruição a áreas de Moçambique e Malawi, atingiu o Zimbábue na sexta-feira, cortando a energia e comunicações. Imagens publicadas no Twitter e veiculadas na televisão mostraram estradas, casas e pontes destruídas, enquanto torres de comunicação foram derrubadas, e cabos de electricidade bloquearam estradas no distrito de Chimanimani, 410 quilómetros ao leste da capital Harare. A televisão pública ZBC disse que 31 pessoas morreram no distrito, e mais de 70 estão desaparecidas.

Preso, suspeito de massacre de 49 pessoas na Nova Zelândia tinha intenção de continuar ataques

O australiano Brenton Harrison Tarrant, de 28 anos, um suspeito supremacista branco, foi acusado de assassinato neste sábado, depois que 49 pessoas foram mortas e dezenas ficaram feridas em disparos em massa em duas mesquitas na Nova Zelândia. Tarrant, a
@Verdade - Últimas

Preso, suspeito de massacre de 49 pessoas na Nova Zelândia tinha intenção de continuar ataques

O australiano Brenton Harrison Tarrant, de 28 anos, um suspeito supremacista branco, foi acusado de assassinato neste sábado, depois que 49 pessoas foram mortas e dezenas ficaram feridas em disparos em massa em duas mesquitas na Nova Zelândia. Tarrant, algemado e vestindo uma roupa branca de prisão, permaneceu em silêncio no Tribunal da Comarca de Christchurch. Ele deve voltar ao tribunal em 5 de Abril, e a polícia disse que provavelmente enfrentará mais acusações. O ataque de sexta-feira, que a primeira-ministra Jacinda Ardern rotulou de terrorismo, foi o pior assassinato em massa em tempos de paz na Nova Zelândia, e o país elevou o alerta de ameaça à segurança ao mais alto nível. Imagens do ataque a uma das mesquitas foram transmitidas ao vivo no Facebook, e um “manifesto” denunciando imigrantes como “invasores” foi enviado para políticos e meios de comunicação e postado on-line através de links em mídias sociais. O vídeo mostra um homem dirigindo para a mesquita Al Noor e, depois, atirando aleatoriamente em pessoas com um rifle semi-automático. Adoradores, possivelmente mortos ou feridos, estavam deitados no chão, mostrou o vídeo. Num determinado momento, o atirador retorna ao seu carro, muda de arma, entra de novo na mesquita e novamente começa a atirar. Quarenta e uma pessoas foram mortas na mesquita Al Noor. A polícia disse que o suspeito levou sete minutos para viajar até a segunda mesquita no subúrbio de Linwood, onde sete pessoas foram mortas. Nenhuma imagem surgiu de lá. Tarrant foi preso em um carro, que segundo a polícia estava carregando dispositivos explosivos improvisados, 36 minutos depois de ser chamada pela primeira vez. “O atirador tinha mobilidade, havia outras duas armas de fogo no veículo em que o agressor estava, e era absolutamente sua intenção continuar com o ataque”, disse Ardern a repórteres em Christchurch neste sábado. O gabinete de Ardern disse que o suspeito enviou o “manifesto” por e-mail à primeira-ministra, ao líder da oposição, ao porta-voz do parlamento e a cerca de 70 meios de comunicação poucos minutos antes do ataque. Um porta-voz disse que o e-mail não descreveu o incidente específico e que não havia “nada no conteúdo ou no tempo que pudesse impedir o ataque”. Ardern disse que Tarrant era um armador licenciado que supostamente usou cinco armas, incluindo duas semi-automáticas e duas espingardas, que foram modificadas. A Nova Zelândia tentou no passado apertar as leis de armas de fogo, mas um forte lobby e a cultura da caça frustraram esses esforços. Estima-se que existam 1,5 milhão de armas de fogo na Nova Zelândia, que tem uma população de apenas 5 milhões de pessoas, mas o país apresenta baixos níveis de violência armada.

Chuvas e ventos fortes este domingo em Sofala, Manica, Tete, Inhambane e Gaza

O Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) prevê a continuação de ocorrência de chuvas persistentes em regime forte a muito forte (mais de150 milímetros em 24 horas), ventos com rajadas fortes até 60 quilómetros por hora e trovoadas severas, que poder
@Verdade - Últimas

Chuvas e ventos fortes este domingo em Sofala, Manica, Tete, Inhambane e Gaza

O Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) prevê a continuação de ocorrência de chuvas persistentes em regime forte a muito forte (mais de150 milímetros em 24 horas), ventos com rajadas fortes até 60 quilómetros por hora e trovoadas severas, que poderão se prolongar até quinta feira (21) em todos os distritos das província de Sofala e Manica; nos distritos de Changara, Mutarara, Doa, Marávia, Chifunde, Marara, Zumbo, Cahora Bassa, Moatize, Chiuta e Cidade de Tete (na Província de Tete); nos distritos de Govuro, Inhassoro, Vilankulo, Mabote, Funhalouro, Morrumbene e Massinga (na Província de Inhambane); e também nos distritos Massangena, Chicualacuala, Mapai, Mabalane, Massingir e Chigubo (na Província de Gaza ). O INAM prevê ainda a ocorrências de chuvas fracas a moderadas acompanhados por vezes de trovoadas e ventos com rajadas nas províncias da Zambézia e Niassa.

Sofala ainda sob apagão eléctrico e de comunicações; vitimas mortais do IDAI já são pelo ...

Após a passagem do Ciclone IDAI na quinta e sexta-feira a província de Sofala continua sob apagão eléctrico e de comunicações. O silêncio do INGC sobre as vítimas e danos nas infra-estruturas, fonte não oficial indica terem subido para 48 os óbitos
@Verdade - Últimas

Sofala ainda sob apagão eléctrico e de comunicações; vitimas mortais do IDAI já são pelo ...

Após a passagem do Ciclone IDAI na quinta e sexta-feira a província de Sofala continua sob apagão eléctrico e de comunicações. O silêncio do INGC sobre as vítimas e danos nas infra-estruturas, fonte não oficial indica terem subido para 48 os óbitos, deixa a sensação que o impacto do ciclone de categoria 4 terá sido bem maior do que o previsto, quiçá por isso o Presidente da República encurtou a sua visita de Estado ao Reino de Eswatini para deslocar-se ao Centro de Moçambique. Existe ainda um  «risco alto de cheias nas bacias do Búzi e Púngoè, podendo afectar cerca de cem mil pessoas nestas bacias». Mais de 24 horas após do Ciclone Tropical IDAI o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) ainda não conseguiu divulgar um balanço oficial, ainda que inicial, do impacto na Região Centro do país, particularmente na cidade da Beira onde apenas o Governador divulgou existirem pelo menos 19 vítimas mortais. Em Manica, província que continua sob chuvas fortes, o porta-voz provincial actualizou o número de vítimas de 2 para 5 óbitos, elevando para 24 o número de mortos conhecidos até ao momento. Entretanto a Televisão de Moçambique indicou que os óbitos ascendem a pelo menos 48 pessoas. O Presidente da República que havia dito na manhã de sexta-feira (15) que o ciclone deixara «danos materiais muito preocupantes», encurtou visita de Estado que vinha efectuando ao Reino de Eswatini no domingo e segunda-feira deslocar-se a cidade da Beira e os distritos de Dondo e Nhamatanda em Sofala. Filipe Nyusi deverá deslocar-se também aos distritos de Chinde, Inhassunge e Maganja da Costa na Zambézia; a cidade de Tete e os distritos de Moatize e Changara em Tete e a cidade de Chimoio na província de Manica Entretanto apesar do ciclone IDAI ter passado nas últimas 24 horas houve registo de chuva na rede nacional de observação hidroclimatológica, destacando-se as bacias do Buzi em Espungabera (220.6mm); Púngoè na cidade de Chimoio (233.3mm); Save na Vila Fraca do Save (67.8mm) e Massangena (38.4mm). De acordo com a Direcção Nacional de Gestão de Recursos Hídricos existe «risco alto de cheias nas bacias do Búzi e Púngoè, podendo afectar cerca de cem mil pessoas nestas bacias». O INGC previu que este ciclone pudesse afectar pelo menos 80 mil famílias no entanto pelo menos 1,1 milhão de moçambicanos terão sofrido algum tipo de impacto do IDAI. «Prevê-se ainda a prevalência de inundações urbanas para as cidades da Beira nos bairros: Alto Manga, Ndunda, Manga Mascarrenha, Vaz, Munhava, Macurrungo, Chipangara, Chaimite (Praia Nova), Maraza, Pioneiros, Matacuane, Mananga, Chota, Muhava, Esturo, Matador, Vila Massane, Maganza, Inhamizua, Chingussura, Nhaconjo, Pontagea e Macuti e Dondo nos bairros: Nhamataca, Chibinde, Mutua e Ponte Rodoviária», indica o mais recente Boletim hidrológico nacional. Para as próximos horas o Instituto Nacional de Meterologia prevê a continuação de chuvas fortes a muito fortes (mais de 150 milímetros em 24 horas), ventos com rajadas fortes até 70 quilómetros por hora e trovoadas severas nas províncias de Sofala (todos os distritos), Manica (todos os distritos), Tete (distritos de Changara, Mutarara, Doa, Marávia, Chifunde, Marara, Zumbo, Cahora Bassa, Moatize, Chiuta e Cidade de Tete), Inhambane (distritos de Govuro, Inhassoro, Vilankulo, Mabote, Funhalouro e Massinga) e Gaza (Massangena, Chicualacuala e Mapai). Esperas-se também chuvas fracas a moderadas acompanhados por vezes de trovoadas nas províncias da Zambézia e Niassa.

Continuação de chuvas fortes neste domingo no Centro de Moçambique; 32º em Maputo

O Instituto Nacional de Meteorologia prevê o seguinte estado do tempo para este domingo (17) em Moçambique: nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula céu pouco nublado, com períodos muito nublado. Possibilidade de chuvas fracas localmente mode
@Verdade - Últimas

Continuação de chuvas fortes neste domingo no Centro de Moçambique; 32º em Maputo

O Instituto Nacional de Meteorologia prevê o seguinte estado do tempo para este domingo (17) em Moçambique: nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula céu pouco nublado, com períodos muito nublado. Possibilidade de chuvas fracas localmente moderadas na província de Niassa. Vento de nordeste a noroeste fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas. Para as províncias de Tete, Zambézia, Manica e Sofala céu muito nublado. Aguaceiros com trovoadas e chuvas moderadas a fortes localmente muito fortes nas províncias de Sofala, Manica e distritos localizados a sul de Tete e Zambézia. Vento nordeste a sueste moderado a forte, soprando com rajadas muito fortes. Nas províncias de Inhambane, Gaza e Maputo céu pouco nublado localmente muito nublado. Ocorrência de aguaceiros acompanhadas de trovoadas ou chuvas fracas, sendo moderadas a fortes a norte das províncias de Gaza e Inhambane. Vento de sueste a nordeste fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas fortes, na parte norte de Gaza e Inhambane. Eis as temperaturas previstas: Cidade Tempo Máx ºC Mín ºC Maputo 32 23 Xai-Xai 31 24 Inhambane 30 25 Vilankulo 29 22 Beira 28 20 Chimoio 25 19 Tete 36 25 Quelimane 32 24 Nampula 33 23 Pemba 32 25 Lichinga 28 17  

Pergunta a Tina: Urinar dentro do aparelho reprodutivo da mulher durante a relação sexual ...

Olá querida Tina! Tudo bom? Urinar dentro do aparelho reprodutivo da mulher durante a relação sexual pode gerar graves implicações (futuras)? Depois que mantive relações sexuais com minha parceira recentemente, urinei dentro de sua vagina, a princípi
@Verdade - Últimas

Pergunta a Tina: Urinar dentro do aparelho reprodutivo da mulher durante a relação sexual ...

Olá querida Tina! Tudo bom? Urinar dentro do aparelho reprodutivo da mulher durante a relação sexual pode gerar graves implicações (futuras)? Depois que mantive relações sexuais com minha parceira recentemente, urinei dentro de sua vagina, a princípio acreditando que isso de certa forma a estimulasse para mais excitação, entretanto acabou sendo um acto infeliz porque foi muito doloroso para ela, tendo me deixado preocupado e com receio de existência de outras alargadas complicações. Conrado Olá, Conrado, tudo bom por aqui, obrigada. Podes ficar tranquilo porque, em princípio não tem implicações futuras graves.

Pergunta a Tina: qual é o nível de CD-4, do qual a pessoa vivendo com HIV é considerada de ...

Foi com muita satisfação que voltei a ler coisa do género, carga viral indetectável de HIV não transmissível, confesso que a priori não dei crédito. Porém, tendo esta nova chance de reler nesta vossa página, surge atiçada a minha curiosidade em tor
@Verdade - Últimas

Pergunta a Tina: qual é o nível de CD-4, do qual a pessoa vivendo com HIV é considerada de ...

Foi com muita satisfação que voltei a ler coisa do género, carga viral indetectável de HIV não transmissível, confesso que a priori não dei crédito. Porém, tendo esta nova chance de reler nesta vossa página, surge atiçada a minha curiosidade em torno da matéria, a saber: qual é o nível de CD-4, do qual a pessoa vivendo com HIV é considerada de agente passivo, não passa vírus HIV, sabendo que a carga de padrão máxima é de 1.500? Obrigado, e ansioso estou em ter a vossa ajuda em ter essa informação. Bom trabalho! Matavel Obrigado, Matavel. Realmente, o conhecimento de que uma pessoa com HIV que tenha uma carga viral indetectável não transmite o HIV (Indetectável = Intransmissível) mesmo não usando a camisinha, só recentemente é que teve confirmação científica unânime. Mas isto só é verdadeiro para a carga viral. Por mais elevada que seja a contagem de CD4 não é possível afirmar-se que a infecção é intransmissível, se não sabemos a carga viral. Na verdade, em geral, numa pessoa com HIV que não esteja a receber Tratamento Anti-Retroviral (TARV), quanto mais baixa for a carga viral, maior será a contagem de CD4. No entanto, esta relação já não é verdadeira para as pessoas que estão a receber TARV. Por isso, pode acontecer que uma pessoa tenha por exemplo, uma contagem de CD4 de 500, com uma carga viral de 250 000 e outra pessoa tenha a mesma contagem de CD4, mas com uma carga viral de 2 500 apenas. A contagem de CD4 é muito flutuante, na dependência de inúmeros factores que não interessa agora detalhar. Em resumo, não há uma relação entra a carga viral e a contagem de CD4 numa pessoa que está a receber TARV. Portanto, só se pode falar em Intransmissibilidade quando a carga viral é Indetectável, independentemente do valor da contagem de CD4. Vale a pena lembrar que, em face desta descoberta recente, a ONUSIDA recomenda que todas as pessoas em TARV deveriam ser informadas deste facto. A transmissão desta informação às pessoas recebendo TARV, incentiva-as a atingir a meta Indetectável e mantê-la, através do cumprimento rigoroso e aderência ao tratamento. Também, o conhecimento disso por parte das pessoas em TARV, reduz o auto-estigma, alivia o sentimento de culpa em relação à transmissão potencial, e permite a prática sexual sem receios. Se as comunidades tiverem conhecimento disto, as pessoas que têm dúvidas sobre o seu estado HIV irão sentir-se mais motivadas para ir fazer o teste de HIV e as pessoas sero-negativas terão menos receios de apanhar o HIV. Por isso, querido Matavel, o importante em termos de transmissão não é a CD4, mas a carga viral: Indetectável = Intransmissível.

Sábado de muita chuva em Inhambane, Sofala, Manica e Zambézia; 33º em Maputo

O Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) prevê o seguinte estado do tempo para este sábado (16) em Moçambique: nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula céu geralmente muito nublado. Aguaceiros acompanhados de trovoadas e chuvas fracas loca
@Verdade - Últimas

Sábado de muita chuva em Inhambane, Sofala, Manica e Zambézia; 33º em Maputo

O Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) prevê o seguinte estado do tempo para este sábado (16) em Moçambique: nas províncias de Niassa, Cabo Delgado e Nampula céu geralmente muito nublado. Aguaceiros acompanhados de trovoadas e chuvas fracas localmente moderadas. Vento de nordeste a noroeste fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas. Para as províncias de Tete, Zambézia, Manica e Sofala céu muito nublado. Aguaceiros com trovoadas e chuvas moderadas a fortes localmente muito fortes nas províncias de Sofala, Manica e distritos localizados a sul de Tete e Zambézia. Vento ciclónico moderado a forte, soprando com rajadas muito fortes. Nas províncias de Inhambane, Gaza e Maputo céu pouco nublado localmente muito nublado. Ocorrência de aguaceiros ou chuvas fracas, sendo moderadas a fortes a norte da província de Inhambane, acompanhadas de trovoadas. Vento de sueste a sudoeste fraco a moderado, soprando por vezes com rajadas fortes, na parte norte de Inhambane. Eis as temperaturas previstas: Cidade Tempo Máx ºC Mín ºC Maputo 33 22 Xai-Xai 31 24 Inhambane 32 25 Vilankulo 28 22 Beira 28 24 Chimoio 26 21 Tete 34 26 Quelimane 33 24 Nampula 33 24 Pemba 31 25 Lichinga 29 17      

IDAI perde força mas deixa danos "preocupantes"; comunicação fixa restabelecida

O Ciclone tropical IDAI enfraqueceu, tornando-se uma depressão tropical com a intensidade dos ventos de 70 quilómetros por hora e a projecção indica o seu movimento para o território do Zimbabwe, no entanto deixou «danos materiais muito preocupan
@Verdade - Últimas

IDAI perde força mas deixa danos "preocupantes"; comunicação fixa restabelecida

O Ciclone tropical IDAI enfraqueceu, tornando-se uma depressão tropical com a intensidade dos ventos de 70 quilómetros por hora e a projecção indica o seu movimento para o território do Zimbabwe, no entanto deixou «danos materiais muito preocupantes», de acordo com o Presidente da República, e inundações por toda a cidade da Beira. A Electricidade de Moçambique revelou ter desligado preventivamente as suas infra-estruturas e daí resulta o apagão nas província de Manica e Sofala. A Tmcel já conseguiu restabelecer algumas comunicações através das linhas fixas. De acordo com a mais recente actualização do Instituto Nacional de Meteorologia apesar da perda de força do Ciclone continuarão a registar-se chuvas fortes a muito fortes (mais de150 milímetros em 24 horas), ventos com rajadas fortes até 70 quilómetros por hora e trovoadas severas nas províncias da Zambézia (distritos de Chinde, Luabo, Inhassuge, Morrumbala e Mopeia), Sofala (todos os distritos), Manica (todos os distritos), Tete (distritos de Changara, Mutarara, Doa, Marara, Cahora Bassa, Moatize, Chiuta e Cidade de Tete) e Inhambane (distritos de Govuro, Inhassoro, Vilankulo e Massinga). A Direcção Nacional de Gestão de Recursos Hídricos registou inundações nos bairros deAlto Manga, Ndunda, Manga Mascarrenha, Vaz, Munhava, Macurrungo, Chipangara, Chaimite (Praia Nova), Maraza, Pioneiros, Matacuane, Mananga, Chota, Muhava, Esturo, Matador, Vila Massane, Maganza, Inhamizua, Chingussura, Nhaconjo, Pontagea e Macuti (na cidad da Beira); e nos bairros de Aeroporto, Santuagua, Cança, Samugue, Manhaua, Brandão, Mincajuine, Sampene, 3 de Fevereiro, Coalane e Dondo nos bairros: Nhamataca, Chibinde, Mutua e Ponte Rodoviária (na cidade de Quelimane). «Os danos materiais verificados até ao momento são maiores e muito preocupantes, devido a problema de comunicação não é possível ainda estimar o tamanho dos danos causados», afirmou o Presidente Filipe Nyusi na manhã desta sexta-feira (15) antes de embarcar para o Reino de Eswatini. As autoridades de emergência previram que pelo menos 80 mil famílias poderiam necessitar de assistência humanitária urgente devido a esta calamidade natural. A Electricidade de Moçambique (EDM) revelou ao @Verdade que a sua sub-estação da Munhava foi desligada preventivamente após os ventos fortes danificarem vidros e cobertura e a água da chuva intensa ter inundado o local onde funcionam transformadores. Fonte da Administração da EDM disse que equipas de Quelimane e de Maputo estão a caminho da Região Centro para apoiar o restabelecimento do fornecimento de energia. «Quando as linhas estão em tensão, havendo linhas caídas como aconteceu com várias, pode causar acidentes que podem ser fatais», explicou. Entretanto as comunicações de voz fixa foi restabelecida pela empresa estatal Tmcel. As restantes comunicações móvel, dados e internet continuam interrompidas desde a noite de quinta-feira (14).      

Região Centro: Restabelecidas comunicações através das linhas fixas

A Tmcel-Moçambique Telecom, SA, informa aos seus clientes e ao público em geral que foi interrompido, a partir das 21.30H da passada quinta-feira, o tráfego da sua rede na região Centro do País, em consequência do ciclone tropical Idai. Esta interrupç
@Verdade - Últimas

Região Centro: Restabelecidas comunicações através das linhas fixas

A Tmcel-Moçambique Telecom, SA, informa aos seus clientes e ao público em geral que foi interrompido, a partir das 21.30H da passada quinta-feira, o tráfego da sua rede na região Centro do País, em consequência do ciclone tropical Idai. Esta interrupção afectou as comunicações de voz fixa e móvel, dados e internet, com maior incidência nas províncias de Sofala e Manica. Apesar das condições meteorológicas adversas, os técnicos da Tmcel estão, contudo, nos pontos críticos, a encontrar soluções provisórias, de modo a se conseguir restabelecer as comunicações, no mais breve tempo possível. Em consequência disto, já foi possível restabelecer-se as comunicações através das linhas fixas, aguardando-se a todo o momento que se restabeleça, igualmente, as comunicações móveis. Pelos transtornos causados, a Tmcel pede as mais sinceras desculpas e compreensão aos clientes e ao público em geral.

Vuma “engraxa” Governo e esquece problema dos empresários

Agostinho Vuma voltou dar “graxa” ao Governo, acusando o puxão de orelhas de “deixar de ser um órgão de murmúrios”, destacou “um notável processo de retoma e estabilidade económica vivenciado em 2018” e como clímax distinguiu Filipe Nyusi c
@Verdade - Últimas

Vuma “engraxa” Governo e esquece problema dos empresários

Agostinho Vuma voltou dar “graxa” ao Governo, acusando o puxão de orelhas de “deixar de ser um órgão de murmúrios”, destacou “um notável processo de retoma e estabilidade económica vivenciado em 2018” e como clímax distinguiu Filipe Nyusi com o prémio Formiga. O presidente da Confederação das Associações Económicas (CTA) iniciou o seu discurso desta quarta-feira (14) saudando “Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, o nosso Chefe de Estado” por ter pago um pequena parte das contas que o Estado acumula há vários anos com o sector privado. Apesar de no ano passado a economia ter desacelerado para 3,3 por cento, é preciso regressar ao ano 2000 para encontrar um Produto Interno Bruto equiparado, Vuma declarou que os empresários registaram “um notável processo de retoma e estabilidade económica vivenciado em 2018 que abre um novo horizonte para o empresariado”. Na tentativa de apresentar algumas soluções Agostinho Vuma disse que durante a XVI Conferência Anual do Sector Privado (CASP) “foram apresentados um total de 25 projectos estimados em 850 milhões de dólares norte americanos, maioritariamente na agro-indústria, incluindo projectos de energia, educação e logística”. Mas o momento mais alto de toda a CASP, na óptica do presidente da CTA, foi a atribuição do prémio Formiga ao “Engenheiro Filipe Jacinto Nyusi”. “Enche-nos de orgulho testemunhar que este novo modelo de diálogo público-privado introduzido por Vossa Excelência tornou-se numa referência internacional, servindo de inspiração mesmo para países melhor cotados no ranking internacional”, declarou Vuma.

Pacheco avisa edis têm de ter credencial para assinarem instrumentos jurídicos com outro Estado

O Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação avisou aos presidentes dos conselhos autárquicos, recém empossados, sobre a necessidade de possuírem uma credencial “quando forem confrontados com o interesse de se assinarem instrumentos jurídicos qu
@Verdade - Últimas

Pacheco avisa edis têm de ter credencial para assinarem instrumentos jurídicos com outro Estado

O Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação avisou aos presidentes dos conselhos autárquicos, recém empossados, sobre a necessidade de possuírem uma credencial “quando forem confrontados com o interesse de se assinarem instrumentos jurídicos que vinculam o território ou parte do território nacional a um relacionamento com outro Estado”. Intervindo na X Reunião Nacional de Autarquias Locais, que decorre em Maputo, José Pacheco disse na passada terça-feira (12) que “qualquer acordo internacional que é assinado, independentemente de quem toma a iniciativa tem que ser do interesse do nosso país, o nosso interesse nacional tem primazia em qualquer instrumento jurídico”. Para uma plateia repleta de autarcas, Administradores distritais e Governadores provinciais o titular dos Negócios Estrangeiros chamou atenção que mesmo “as visitas oficias que são realizadas, tanto de entidades nacionais para o exterior ou entidades que nos visitam, são na base de um regulamento específico”. Falando sobre as “Normas e Procedimentos Diplomáticos, Jurídicos e Protocolares” o ministro Pacheco deixou claro que: “Apenas o Presidente da República e entidade competente para cuidar de matérias de relações internacionais possuem plenos poderes para assinarem instrumentos jurídicos internacionais que vinculem a República de Moçambique sem credenciais, todos os demais dirigentes só podem assinar acordos internacionais se estiverem devidamente credenciados para o efeito”. “Já tivemos situações de que compatriotas nossos, por razões várias, viajaram para o exterior, abriu-se uma oportunidade de relacionamento e assinaram os documentos com organizações e com outros Estados, sob o ponto de vista jurídico aqueles instrumentos são nulos, lá fora ou aqui dentro”, revelou José Pacheco sem precisar que servidores públicos praticaram esses actos. Visando muito provavelmente os edis da Beira e de Quelimane, ausentes, o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação declarou: “É verdade que Vossas Excelências são órgãos eleitos, gozam de independência estabelecida nos instrumentos que determinam a vossa missão, mas não se sintam quistos na relação com o vosso órgão. Naturalmente que quem está na cidade da Matola, não se sinta quisto porque lá existem vários órgãos do Estado, existe um Governador a quem dar uma informação prévia sobre os actos que praticam pode evitar situação de colisão ou de sobreposição de eventuais impedimentos que queriam evitar com as suas congéneres de outros Estados”.

Presidente Nyusi responsabiliza empresários pela depreciação do metical, “melhor antídoto ...

Em jeito de resposta a reclamação da CTA a decisão do Banco de Moçambique aumentar as Reservas Obrigatórias em divisas o Presidente Filipe Nyusi responsabilizou os empresários: “ainda se regista índice de produção indesejável que se reflete na nos
@Verdade - Últimas

Presidente Nyusi responsabiliza empresários pela depreciação do metical, “melhor antídoto ...

Em jeito de resposta a reclamação da CTA a decisão do Banco de Moçambique aumentar as Reservas Obrigatórias em divisas o Presidente Filipe Nyusi responsabilizou os empresários: “ainda se regista índice de produção indesejável que se reflete na nossa balança comercial culminando com mais importações e menos exportações”. Paradoxalmente o @Verdade constatou que o chá e o açúcar servido durante a XVI Conferência Anual do Sector Privado fizeram parte das importações que pesam na Balança de Pagamentos. Discursando nesta quinta-feira (14) na abertura da Conferência Anual do Sector Privado (CASP), que na verdade aconteceu no segundo e último dia, o Chefe de Estado assegurou que o Governo continuará a fazer a sua parte com toda a responsabilidade, “contudo continuamos preocupados porque não obstante a economia estar a registar sinais de vitalidade ainda se regista índice de produção indesejável que se reflecte na nossa balança comercial culminando com mais importações e menos exportações, e quem contribuir largamente para o aumento da produção e da produtividade é o sector privado”, em alusão a contestada decisão do banco central de aumentar o coeficiente de Reservas Obrigatórias em moeda estrangeira de 27 para 36 por cento para equilibra a Balança de Pagamentos. Porque o mote da XVI CASP era “Agro-negócio como Factor Acelerador” o estadista moçambicano, após enumerar os mais do que conhecidos problemas que os agricultores enfrentam, desafiou a Confederação das Associações Económicas (CTA): “a nossa expectativa é que estes aspectos que foram objecto de debate durante o dia de ontem ou serão objecto de discussão nos temas que serão apresentados de modo a encontrar forma do sector privado participar na sua solução”. Comentando a matriz de prioridades que todos anos a CTA apresenta Nysu admitu que “são sim necessárias estas medidas de reforma que aqui foram reiteradas, que visam reduzir custos de operação e de produtividade, mas o melhor antídoto é aumentarmos os níveis de produção. Importamos arroz em detrimento das terras aráveis do Chókwe, de Mopeia, de Inguri ou de Chipeme. Importamos batata reno sacrificando o potencial de Cuamba, Tsangano ou Unango. Compramos fora do país cebola e alface recusando que afinal seja de Matutuine, Tica e Malema podem nos alimentar”. “Temos terra e fontes de água, temos no nosso país gente trabalhadora, o capital humano empreendedor aqui presente, numa só frase é um país dotado de excelentes condições agro-ecológicas para o desenvolvimento da agricultura sustentável”, concluiu o Presidente que não deve ter notado que o chá e o açúcar servido durante a XVI Conferência Anual do Sector Privado não tinham sido produzidos em Moçambique mas fizeram parte das importações que pesam na Balança de Pagamentos, apesar da pujante indústria do açúcar nacional seja um dos poucos casos de sucesso do agro-negócio no nosso país.

Governo insiste em pagar as dívidas da Proindicus, EMATUM e MAM porque “tem que haver a ...

O ministro da Economia e Finanças explicou nesta quinta-feira (14) porque razões o Governo está a insistir em pagar as dívidas ilegais da Proindicus, EMATUM e MAM, “tem que haver a continuidade do Estado e temos que continuar a sermos respeitados lá fo
@Verdade - Últimas

Governo insiste em pagar as dívidas da Proindicus, EMATUM e MAM porque “tem que haver a ...

O ministro da Economia e Finanças explicou nesta quinta-feira (14) porque razões o Governo está a insistir em pagar as dívidas ilegais da Proindicus, EMATUM e MAM, “tem que haver a continuidade do Estado e temos que continuar a sermos respeitados lá fora como Estado” disse Adriano Maleiane minimizando a violação da Constituição da República de Moçambique pelo seu antecessor: “podemos ter razão nas nossas leis mas também temos que ver o que foi assinado relativamente a lei externa”. Só no segundo dia da “prova oral” na Assembleia da República é que o Executivo dignou-se a explicar alguns dos motivos pelos quais continua a negociar com os credores dos empréstimos contraídos violando a Constituição e leis orçamentais para a reestruturações das amortizações durante as próximas duas décadas. Adriano Maleiane começou por explicar que o Executivo de Filipe Nyusi assumiu o pagamento dessas dívidas contraídas durante o 2º mandato de Armando Guebuza, até 2017 foram pagos 263 milhões de dólares norte-americanos, porque a “Lei 9/2002 no seu artigo 66, número 2, diz taxativamente que o Estado é responsável pelos actos praticados pelos seus funcionários e agentes do Estado, essa foi a primeira razão para nós virmos aqui e para nós organizarmos como Estado, como Governo, para representar o Estado”. O ministro declarou que o Governo de Nyusi desconhecia as dívidas das empresas Proindicus e Mozambique Asset Managment (MAM): “de acordo com a metodologia que temos com o mundo, as Garantias Soberanas fazem parte do stock da dívida do país. Neste caso, tivemos que agregar essas duas Garantias ao stock da dívida do país e uma vez agregada essas responsabilidade teve reflexos nas contas do Estado é por isso viemos aqui e dissemos, todos os actos para se conformar com o que a lei fala tem que estar registados, esse é acto e é um comando também, esta Lei 9/2002 no seu artigo 36 e seguintes, que diz: tudo o que transforme o património do Estado deve ser registado”. Maleiane insistiu no argumento que a lei obriga a “registar, mesmo que não venha a pagar, mas tem que estar registado, e é o que acontece na Conta Geral do Estado” e que isso não implica necessariamente a legalização das dívidas contraídas sem a aprovação da Assembleia da República. “13 biliões (de dólares) de dívida estamos a incluir estas duas garantias porque existem, legais ou ilegais existem, porque nós não conseguimos provar que aquelas Garantias não foram assinadas por um agente do Estado, esse é que é o debate. Não conseguimos provar que aquelas Garantias não foram assinadas por agentes do Estado e é por isso que nos termos do artigo 66, número 2, nós temos que defender este principio de continuidade do Estado”, deixou claro o substituto de Manuel Chang, o ministro que assinou as Garantias ilegalmente. Renegociar o pagamento das dívidas da Proindicus e da MAM “é mais fácil Maleiane fez uma resenha de todo o processo em torno da dívida da EMATUM desde 2015, a sua transformação em títulos de dívida Soberana de Moçambique e da primeira renegociação dos prazos e montantes a serem amortizados. “Quando estávamos para pagar (a dívida da EMATUM), em Janeiro de 2017, confrontar-nos com esta situação das duas garantias adicionais (Proindicus e MAM) e voltamos aos credores e dissemos se com 725 (milhões de dólares norte-americanos) nós tínhamos problemas para pagar, mais 1,2 (milhões de dólares norte-americanos) temos mais problemas para pagar os 76 (milhões de dólares norte-americanos) que combinamos, porque temos que tomar em consideração essas duas garantias por causa deste numero 2 da Lei 9/2002, e começamos um processo de negociação”, explicou. De acordo com o ministro da Economia e Finanças: “Isto é muito importante para percebermos porque o Estado aparentemente está a insistir num assunto que hoje, com estas informações nós devíamos pura e simplesmente esquecer, a razão é continuidade do Estado e quem tem que defender o Estado é o Governo do dia, somos todos nós, é a sociedade e a forma de fazer as coisas tem que ser assim”. Adriano Maleiane afirmou que renegociar o pagamento das dívidas da Proindicus e da MAM “é mais fácil porque é bilateral”, o Executivo senta à mesa apenas com o Credit Suisse e o VTB que foram os bancos que lideraram os sindicatos que disponibilizaram os 622 milhões de dólares e 535 milhões de dólares, respectivamente. Enquanto no caso da dívida da EMATUM são “vários investidores, não credores, pessoas que deram aos seus gestores de conta instruções para comprar título de Moçambique porque a informação que tinham é que era um país sério e vai pagar”. Ministro Maleiane minimiza violação da Constituição da República na contratação das dívidas ilegais O governante tentou tranquilizar a sociedade e os deputado “têm razão, quando dizem mas agora temos outra informação qual é o posicionamento”, em alusão as revelações da justiça norte-americana de como o processo de contratação das dívidas terá sido alegadamente arquitectado e relativamente aos subornos que terão sido pagos até a banqueiros para facilitarem os empréstimos. “Temos que separar as questões de responsabilização, que também estão previstas nesta Lei 9/2002, que é o número 2 do artigo 66, que diz taxativamente o seguinte: o Estado é solidário com os seus agentes. Se por alguma razão chegar-se a conclusão que efectivamente o agente do Estado procedeu mal o Estado tem direito de regresso, é neste espírito que nós podemos trabalhar, não há outra forma”, tentou clarificar Maleiane. Todavia, segundo o sucessor de Manuel Chang, os assessores internacionais que tem trabalhado com o Ministério da Economia e Finanças estão a apoiar para se encontrar “a solução que nós queremos”, que Maleiane não precisou qual é mas deixou bem claro que : “a única condição é que qualquer solução tem que ser mesmo na mesa das negociações, não é possível um Estado responsável ficar pura e simplesmente, porque temos uma nova situação e sem partilhar com o parceiro”. Adriano Maleiane disse também que “em rigor todos nós estamos a ter conhecimento de coisas que não conhecíamos, da mesma maneira que eles também quando negociaram não conheciam. É importante que tudo termine na mesa de negociações, para um lado ou para outro, mas sempre vai ser necessário e nós só podemos agradecer porque estamos a entender que estes subsídio que estão sendo dados aqui são para reforçar o nosso papel como negociadores em nome do Estado”. O ministro da Economia e Finanças conclui a sua intervenção na Assembleia da República minimizando a violação da Constituição da República que precedeu a contratação das dívidas pelas empresas Proindicus, EMATUM e MAM. “Estas Garantias foram emitidas e a lei que vai dirimir os potenciais conflitos é a lei inglesa, por isso que a Procuradoria-Geral da República colocou o assunto a nível do Tribunal Supremo de Londres, porque o contrato é assim como está escrito. Quer dizer que podemos ter razão nas nossas leis mas também temos que ver o que foi assinado relativamente a lei externa”.

Ciclone IDAI inunda Beira e danifica infra-estruturas; não há registo de mortos

O Ciclone tropical Intenso IDAI, de categoria 4 (numa escala de 5), continua a fustigar o Centro de Moçambique. As chuvas fortes que desde quinta-feira (14) caem deixaram a cidade da Beira inundada e há registo de muitas infra-estruturas danificadas pelos v
@Verdade - Últimas

Ciclone IDAI inunda Beira e danifica infra-estruturas; não há registo de mortos

O Ciclone tropical Intenso IDAI, de categoria 4 (numa escala de 5), continua a fustigar o Centro de Moçambique. As chuvas fortes que desde quinta-feira (14) caem deixaram a cidade da Beira inundada e há registo de muitas infra-estruturas danificadas pelos ventos muito fortes que se continuam a registar. Não há energia eléctrica devido a inundação da sub-estação da Munhava e as comunicações por telefone ou internet estão cortadas. Não há registo oficial de vítimas mortais. Uma actualização do Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) na manhã desta sexta-feira (15) indica que o IDAI está a enfraquecer, «mas mantendo se como Ciclone Tropical de categoria 3, com ventos de 140 quilómetros por hora e rajadas até 160 quilómetros por hora e espera se que até as14 horas baixe a intensidade dos ventos para 70 quilómetros por hora e mantendo o seu movimento como Depressão Tropical em direção a província de Manica». De acordo com o INAM este sistema já está influenciar o estado de tempo nas províncias da Zambézia (distritos de Chinde, Luabo, Inhassuge e Mopeia), Sofala (todos os distritos), Manica (todos os distritos), Tete (distritos de Changara, Mutarara, Doa, Marara, Cahora Bassa, Moatize, Chiuta e Cidade de Tete) e Inhambane (distritos de Govuro, Inhassoro, Vilankulo e Massinga) com ventos muito fortes (140 a 160 quilómetros por hora), acompanhados por chuvas muito fortes ( mais de 150 milímetros em 24 horas) e trovoadas severas. Na cidade da Beira o Ciclone IDAI está a causar inundações nos bairros: Alto Manga, Ndunda, Manga Mascarrenha, Vaz, Munhava, Macurrungo, Chipangara, Chaimite (Praia Nova), Maraza, Pioneiros, Matacuane, Mananga, Chota, Muhava, Esturo, Matador, Vila Massane, Maganza, Inhamizua, Chingussura, Nhaconjo, Pontagea e Macuti onde se pode ver também a destruição de habitações e infra-estruturas públicas causada pelos ventos fortes. Fonte da Administração da Electricidade de Moçambique revelou ao @Verdade que a falta de energia deriva da inundação da sub-estação da Munhava, «não podemos ligar»! As conexões de telecomunicações com o Centro de Moçambique também estão limitadas. As autoridades não reportaram, ainda, nenhuma vítima mortal da acção directa do Ciclone IDAI.

Ciclone IDAI entrou por Dondo e está a fustigar Sofala, Manica, Zambézia, Tete e Inhambane

O Ciclone tropical Intenso IDAI, de categoria 4, já está em Moçambique onde entrou pelo distrito de Dondo, na província de Sofala, e de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) deverá baixar de intensidade para a categoria 3. Com ventos
@Verdade - Últimas

Ciclone IDAI entrou por Dondo e está a fustigar Sofala, Manica, Zambézia, Tete e Inhambane

O Ciclone tropical Intenso IDAI, de categoria 4, já está em Moçambique onde entrou pelo distrito de Dondo, na província de Sofala, e de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (INAM) deverá baixar de intensidade para a categoria 3. Com ventos muito fortes (160 a 190 quilómetros por hora), acompanhados por chuvas muito fortes (mais de 150 milímetros em 24 horas) e trovoadas severas este sistema já está influenciar o estado de tempo em todos os distritos das províncias de Sofala e Manica; nos distritos de Chinde, Luabo, Inhassuge, Mopeia, Nicoadala, Maquival, Mocubela, Mulevala, Milange, Dere, Morrumala, Mocuba e Cidade de Quelimane (na província da Zambézia); nos distritos de Changara, Mutarara, Doa, Marara, Cahora Bassa, Moatize, Chiuta e Cidade de Tete (na província de Tete); e também nos distritos de Govuro, Inhassoro, Vilankulo e Massinga (na província de Inhambane). O INAM prevê também a continuação de ocorrência de chuvas moderadas a fortes (30 a 50 mm/24h), acompanhadas de trovoadas severas e ventos com rajadas a norte nas províncias de Niassa,Cabo Delgado e norte de Tete. Entretanto para as províncias Gaza e Maputo o INAM prevê céu pouco nublado localmente muito nublado. Ocorrência de aguaceiros ou chuvas fracas. Vento de sueste a sudoeste fraco a moderado. Eis as temperaturas previstas: Cidade Tempo Máx ºC Mín ºC Maputo 32 22 Xai-Xai 30 23 Inhambane 30 26 Vilankulo 28 24 Beira 27 19 Chimoio 25 20 Tete 36 24 Quelimane 32 25 Nampula 34 23 Pemba 33 25 Lichinga 28 16  

Get more results via ClueGoal